quarta-feira, 16 de março de 2016

Feliz Aniversário, Célia Laborne Tavares...



Minha Menina Poetisa Amada das Estrelas Geraes...
Célia...
Feliz Aniversário junto ao Lótus
nesse destino suave de e-ternurada Luz...

Gratidão, Paz e Alegria
na sua data querida...
hoje e sempre...
em nossas flores na hora azul da entrega...

Um beijo de Amor em suas mãos...
que vamos juntos no Barco do Destino...

Saudades...

Leo Nogueira Paqonawta

...

JUNTO AO LOTUS

Célia Laborne Tavares

A música suave pode prenunciar o campo próprio do amoroso encontro, onde tudo se faz centro vivo das origens de cada um.

Harmoniosamente, como flor, o mundo germina sua grandeza nessa noite que precede o ainda indecifrável amanhecer. Sintoniza-te com este ritmo para que cresças também. No compassado e vagaroso desabrochar há toda a história da plenitude universal. O abrir da planta nova transcende luz como destino próprio.

Agora que o tempo é propício e nossa doação está amadurecida, junto ao Lotus que se abre, vemos que as palavras são restritas e o dia está sob o controle dinâmico da próxima alvorada. O canto de louvor é nossa mais pálida homenagem no caminho desobstruído e já assinalado.

Vamos, então, construir um mundo novo com aquelas horas antigas, que facilmente poderão ser recriadas, tal a plenitude que guardam. Vamos doar, aqui, nosso velho amor.

A noite de ternura será o marco inicial dessa distribuição aos carentes do amor. Agora, cada palavra vai se transformar em poema e cada carinho será leve companheiro. Aquelas nossas rosas vão adornar mil portas silenciosas e esquecidas.

Nos passos que nos chegam, marcaremos todos os encontros que ficaram apagados e ausentes, na penumbra do passado incompleto.

Nossa vivência de amor ganha, hoje, nova dimensão, pois está sendo livremente repartida à mil necessitados para ser mil vezes revivida. Tão crescidos já estão nossos testemunhos de presença e de doçura que poderemos ser pródigos em distribuí-las.

Tão fiéis foram nossas palavras e promessas que doaremos ao mundo, intacto ainda, todo um canto de vida; como se dele pudessem frutificar outros cantos semelhantes e outras plenitudes iluminadas.

Vamos sentar-nos, amorosamente, à beira do lago quieto e aguardar os pedintes. Nossos jardins transbordam e, por mais que distribuamos este amor, sempre sobrará ternura na hora azul da entrega.

Ajuda-me com tuas mãos a presentear tantas ofertas.

- Que destino mais belo poderíamos ter dado ao nosso velho e incomensurável amor?

Ante o amadurecimento de nossa resolução, um Lotus branco se abrirá porque o tempo é de belezas insuperáveis.

- Que destino mais suave poderíamos encontrar para o nosso doce e contagiante amor?

In "O Quinto Lótus"
Edição da autora

Nenhum comentário: